quarta-feira, 1 de junho de 2011

Reportagem Folha - Homofobia

Eu não sei que reação ter ao me deparar com reportagens como essa da folha. A impressão que eu tenho é a de que, odiar os homossexuais, tudo bem, contanto que você não bata neles.

Governo agora admite rever pontos da lei anti-homofobia 

Sob pressão da bancada evangélica, proposta passará por modificações

Relatora do projeto, Marta Suplicy sinaliza manter no texto como crime só a violência por preconceito sexual


DE BRASÍLIA

Com uma crise em sua base aliada, o governo decidiu evitar temas polêmicos no Congresso nos próximos 15 dias e sinaliza um recuo em pontos da lei anti-homofobia. A proposta, que está no Senado, passará por modificações para atender a bancada evangélica.
Na semana passada, a presidente Dilma Rousseff se viu obrigada a fazer concessões, após deputados evangélicos e católicos protestarem contra o material didático que seria distribuído pelo Ministério da Educação.
Para pressionar o governo, os evangélicos ameaçaram convocar o ministro Antonio Palocci (Casa Civil), enfraquecido desde a revelação, feita pela Folha, da multiplicação de seu patrimônio.
O governo negocia com os evangélicos no Senado uma alternativa para suavizar o projeto, que prevê a criminalização da homofobia. O acordo ainda não foi fechado, mas a relatora Marta Suplicy (PT-SP) se mostrou disposta a atender os religiosos.
Na primeira versão, o projeto definia como crime "praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito" de orientação sexual ou identidade de gênero.
Marta já havia garantido aos religiosos a liberdade para criticar a homossexualidade em pregações, mas os evangélicos não ficaram satisfeitos com essa alteração.
Agora, a senadora está disposta a manter no texto como crime só o ato de "induzir alguém à prática de violência de qualquer natureza motivado pelo preconceito de sexo, orientação sexual ou identidade de gênero".
O senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) disse que o texto ainda será levado para lideranças religiosas. Só depois, será batido o martelo. "Conseguimos o principal, que é derrubar o crime de liberdade de culto e da expressão do pensamento", afirmou.
Ele sugeriu também que sejam previstas penas maiores a grupos que usarem violência contra homossexuais.
A pressão vai aumentar hoje com manifestação de evangélicos, liderados pelo pastor o Silas Malafaia, na frente do Congresso.
Outro sinal de recuo veio da Secretaria dos Direitos Humanos, que declarou ontem que "não há posição fechada dentro do governo sobre o projeto". No mês passado, a ministra Maria do Rosário falou abertamente em favor da punição para quem faz discursos homofóbicos.
Para o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), que defende a causa gay, o projeto tem que combater também "o discurso do ódio". "Não dá para separar a prática violenta, como lesões e assassinatos, do discurso difamador contra homossexuais."(LARISSA GUIMARÃES, MARIA CLARA CABRAL, GABRIELA GUERREIRO E ANA FLOR)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sente no banquinho e rabisque-o!

Postar um comentário